sábado, 13 de dezembro de 2008

Espetáculo.


Primeiro ato: a cena começa na apresentação de fatos, boatos, tratos.
Segundo ato: respostas, indignação, adoravelmente permissão para continuar relatando, constando através de tratos pequenos e grandes, simples.
Nada é algo desconhecido porque viver requer isto investigar, indagar e concluir.
Do lado está uma aliança felicidade nem que seja momentânea.
Um médico sempre estará a minha espera que é JESUS, de braços abertos, lábios sorrindo, meu amor, meu irmão.
Meu lar, minha terra, meu chão para pisar e firmar em todos os fatos conseguidos independente dos outros ou com os outros.
Terceiro ato: a atenção foi enorme e trouxe interessado a ensinar o certo na hora certa no momento certo, estátuas.
Estatisticamente seria uma contagem interminável, assim resume de tamanho único sem pressão e um verdadeiro sim.
Quarto ato: cena, perguntas, atenção, tempo exato.
Brincar sempre e não se esquecendo do amadurecimento e crescimento como ser humana, correndo, sorrindo, agradecendo, celebrando. Descrever um espetáculo de uma confusão tamanha, e tem solução, não esquecer do saber, Beleza é o fim quando as cortinas se fecham.

Um comentário:

Mateus Luciano disse...

floresceu como uma primavera , sem meio termo sem sorriso,intenso sem motivo.....